De alguns anos a esta parte, assumiu destaque, em vista de sua importância para a vida humana, a questão da qualidade e da disponibilidade de água em futuro não distante. A ausência de medidas comprovadamente eficientes para controle da poluição/contaminação da água podem comprometer ambos os aspectos. As águas ocupam 71% da superfície do planeta, existindo ainda o potencial hídrico subterrâneo, cem vezes maior do que o das águas superficiais. Do total, apenas 0,63% é água doce e grande parte dela mostra-se imprópria para consumo.

A água canalizada que chega às torneiras normalmente provém de águas subterrâneas ou superficiais, que são captadas, passam pelo tratamento, vão para os reservatórios e são canalizadas para distribuição. No entanto, quando incorretamente tratadas podem ser prejudiciais ao consumo humano. Eis alguns parâmetros que representam risco à saúde:

  • Agrotóxicos: substâncias químicas, naturais ou sintéticas destinadas a combater pragas da lavoura e que possuem potencial tóxico para o meio ambiente;
  • Substâncias orgânicas: de origem natural, resultantes de atividades antrópicas ou de reações químicas no decorrer do tratamento da água;
  • Substâncias inorgânicas: compostos ou características da água que podem interferir no processo de tratamento ou causar problemas de saúde pública;
  • Microcistinas: presentes no interior de alguns gêneros de cianobactérias (cianofícias ou algas azuis) e capazes de ocorrer no meio ambiente, produzem toxinas com efeitos adversos à saúde;
  • Produtos secundários da desinfecção: dependendo do tipo de desinfetante usado no tratamento, devem ser analisados os compostos trihalometanos, monocloroamina, cloro livre, 2-4-6 triclorofenol, bromato e clorito.

Há também parâmetros com relação ao padrão de aceitação para consumo humano, como cor, turbidez, alumínio, ferro, manganês, sódio, zinco, surfactantes, sulfeto de hidrogênio, odor e gosto, que afetam a aparência e gosto da água. A amônia em reação com o cloro prejudica a eficiência na desinfecção. Teores elevados de cloretos podem interferir nos processos de tratamento e conferir sabor salino à água, ao passo que os sulfatos podem causar efeitos laxativos. A dureza indica presença de cálcio e magnésio, causadores de incrustações em tubulações. Etilbenzeno, monoclorobenzeno, tolueno e xileno são solventes orgânicos que podem comprometer a saúde. Sólidos totais dissolvidos evidenciam a presença de sais inorgânicos e o pH indica as características ácidas, neutras ou alcalinas da água.

Já nos parâmetros microbiológicos, a presença de coliformes, representados por um grupo de bactérias presente nos intestinos de animais de sangue quente, sendo alguns tipos também encontrados no meio ambiente, indica contaminação microbiológica. A existência de bactérias heterotróficas mostra contaminação microbiológica e está relacionada à presença de matéria orgânica.

Nosso site faz o uso de cookies para melhorar sua experiência de navegação. Leia sobre como utilizamos cookies e como você pode controlá-los clicando em "Preferências de Privacidade" à direita.

Preferências de Privacidade

Quando você visita qualquer site, ele pode armazenar e recuperar informações através do seu navegador, geralmente na forma de cookies. Como nós respeitamos sua privacidade, você pode escolher não permitir coletar dados de alguns tipos de serviços. Entretanto, ao não permitir esses serviços sua experiência pode ser impactada.


ACESSIBILIDADE

Para navegação via teclado, utilize a combinação de teclas: Alt + [ de atalho]

Atalhos de navegação:

Tamanho da Fonte/Contraste
fechar
ACESSIBILIDADE
Carregando... Por Favor, aguarde...