Boa Noite! Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

DICAS

COMO ECONOMIZAR ÁGUA


Na questão da preservação dos recursos hídricos, importante contribuição cabe ao consumidor final mediante a adoção de ações simples quanto ao uso racional da água no cotidiano doméstico. Veja algumas medidas eficientes para evitar o desperdício e, assim, registrar menor custo na conta mensal.

No banheiro Banho - É possível fazer grande economia no banho, pois cinco a sete minutos são suficientes para higienizar o corpo. Ao se ensaboar feche o registro: um banho de ducha de 10 minutos, com o registro meio aberto, consome cerca de 130 litros de água; um banho de chuveiro elétrico requer 40 litros. No mesmo espaço de tempo e fechando o registro, o consumo cai para 38 litros no caso de ducha e para 12 litros no de chuveiro.

Lavar o rosto - O simples ato de lavar o rosto com a torneira meio aberta pode representar o gasto de 2 a 3 litros de água por minuto e por pessoa. Ao fazer a barba gastam-se cerca de 10 a 12 litros em cinco minutos, caindo para 3 a 4 litros fechando-se a torneira. A dica, portanto, é não demorar e fechar a torneira sempre que possível.

Escovar os dentes
- Ao efetuar a higiene bucal, molhe a escova e feche o registro, abrindo-o somente ao final do procedimento. Com essa medida, a economia pode chegar a mais de 10 litros/água em cada escovação.

Vaso sanitário - É o principal “vilão” em um banheiro. Uma válvula defeituosa, por exemplo, pode aumentar em mais de 30 litros/água o consumo diário. As bacias sanitárias mais antigas gastam, em média, de 12 a 15 litros por acionamento: as mais modernas, por sua vez, além de menor tempo para descarte dos dejetos, utilizam apenas 6 litros por descarga. Assim, nunca acione a descarga sem necessidade e mantenha a válvula sempre regulada, consertando prontamente eventuais vazamentos.

Lavagem de roupa - É atividade que pode consumir muita água. No tanque, com a torneira aberta por 20 minutos, o gasto de água pode chegar a 350 litros. Para economizar, o melhor é colocar a roupa de molho, ensaboá-la e enxaguá-la por completo no final da lavagem. No caso de lavadoras, o correto é utilizá-las somente com a capacidade total; uma lavadora com capacidade para 8 quilos chega a gastar mais de 200 litros.

Na cozinha
- Ao lavar a louça, 15 minutos de torneira meio aberta consomem em torno de 120 litros de água. Neste caso, a dica é primeiro remover os restos de comida de pratos e panelas, em seguida ensaboar todos os utensílios e finalmente enxaguá-los; com isso, o gasto pode baixar para cerca de 20 litros. Lavadoras de louças somente devem ser utilizadas quando cheias.

No jardim - Como forma de reduzir o gasto, adote a prática de realizar as regas nas primeiras horas do dia ou ao entardecer, quando a evaporação de água é menos acentuada. A rega com mangueira chega a consumir perto de 200 litros a cada 10 minutos; prefira os regadores e caso o uso da mangueira seja imprescindível, adicione um dispositivo regulador (tipo esguicho) que permite reduzir o consumo até à metade.

Na piscina – Em uma piscina média, a evaporação de água pode alcançar em torno de 4 mil litros/mês, nos períodos mais quentes do ano. Para evitar esta perda, convém que as piscinas sejam cobertas para reduzir a ação do sol e do vento, caso em que a perda por evaporação pode cair em cerca de 90%.

Na calçada – Bastante comum, o hábito de lavar calçadas e pisos de quintal com a mangueira é responsável por grandes consumos, pois em 10 a 15 minutos são gastos aproximadamente 300 litros de água. Faça a substituição da mangueira por vassouras e panos umedecidos, nos locais onde sua aplicação for possível. Outro recurso é usar a água descartada pela máquina de lavar roupa na limpeza desses locais.

No carro - Para lavar veículos dê preferência ao balde e pano em lugar da mangueira. Esta última pode representar um consumo de 300 a 600 litros em 30 minutos de lavagem, dependendo da abertura do regulador (esguicho). Já com balde o consumo cai para cerca de 40 a 50 litros.



ACABANDO COM OS VAZAMENTOS

TESTES PARA VERIFICAR SE HÁ VAZAMENTO DE ÁGUA NO IMÓVEL:

VAZAMENTO NO RAMAL ALIMENTADO DIRETAMENTE DA REDE:

1 – Abra o registro de entrada de água (registro do cavalete)

2 – Feche todas as torneiras da casa

3 – Amarre a bóia da caixa d’água

4 – Observe o hidrômetro

Se a turbina do hidrômetro estiver girando, há vazamento no ramal alimentado diretamente da rede (rua)

Obs.: Esse teste deve ser feito à noite, quando há maior pressão de água na rede.

VAZAMENTO NA CANALIZAÇÃO ALIMENTADA PELA CAIXA D’ÁGUA:

1 – Abra o registro de entrada de água (registro do cavalete)

2 – Feche todas as torneiras da casa e não utilize os sanitários

3 – Amarre a bóia da caixa d’água e marque o nível de água na caixa

4 – Aguarde duas horas e verifique se o nível de água na caixa baixou.

Se afirmativo, há vazamento na canalização alimentada pela caixa d’água

 

VAZAMENTO NA VÁLVULA DE DESCARGA:

1 – Com um copo descartável, retire toda água do vaso sanitário e seque totalmente c/ um pano

2 – Não utilize o sanitário por meia hora

Caso apareça água no fundo do vaso, há vazamento pela válvula ou pela caixa de descarga.

HIDRÔMETRO:

O hidrômetro é um instrumento utilizado para medir o volume de água fornecido ao imóvel. Através dele é possível verificar a possibilidade de eventuais vazamentos internos. Serve também para estimar as perdas entre a produção e a distribuição de água.

Para calcular o volume de água consumido durante um determinado tempo, basta calcular a diferença entre duas leituras (inicial e final).

Os hidrômetros instalados pelo S.A.E.P. possuem padrões tecnológicos aprovados pelo INMETRO.

O hidrômetro é de propriedade do S.A.E.P., porém o consumidor é responsável por sua conservação, devendo portanto protegê-lo. Cabe também ao consumidor possibilitar aos funcionários do S.A.E.P. total acesso ao hidrômetro, tanto para leitura como para manutenção ou substituição do equipamento.

                                                                                             Quanto pode consumir um vazamento sem conserto


Aberturas da

Torneira

Médias diárias

(litros)

Médias mensais

(litros)

Médias mensais

(m³)

Gotejando

50

1.500

1,50

1 mm

2.070

52.100

62,10

2 mm

4.520

135.600

135,60

6 mm

16.500

495.000

496,00

9 mm

25.500

765.000

765,00

12 mm

33.990

1.019.700

1.019,70


 
COMO LIMPAR A CAIXA D’ÁGUA

Reservatórios limpos e tampados asseguram a boa qualidade da água. Veja como proceder a limpeza.

O Serviço de Água e Esgoto de Pirassununga, SAEP, empenha-se em fornecer ao consumidor água de excelente qualidade e pureza, para o que adota as mais modernas técnicas desde a captação até a reservação e distribuição. Mas estas características da água podem ser comprometidas caso o reservatório domiciliar apresente manutenção inadequada.

Para limpar o reservatório de água recomenda-se o seguinte procedimento:
Programe a data e no dia anterior separe balde, panos limpos, esponja ou escova (não pode ser de aço), pá de plástico e 1 litro de água sanitária. Jamais utilize detergente, sabão ou produtos similares e ferramentas/utensílios que possam danificar a caixa d’água; nas de fibrocimento recomendam-se escovas de fibra vegetal ou de plástico macio. Veja a sequência:
Feche o registro de entrada ou amarre a bóia e reduza para um palmo o volume de água no reservatório abrindo as torneiras e dando descargas;
Feche a saída do reservatório com pano ou tampão, para que a sujeira não desça pelos canos (esta água será utilizada durante a limpeza, recomendando-se também guardar alguns baldes cheios);
Lave as paredes internas e o fundo com auxílio de pano ou com uma escova;

Com uma pá plástica e um balde retire a água de lavagem e a sujeira;

Seque o fundo da caixa d’água com panos limpos, não os passando nas laterais (paredes);

Abra o registro de entrada ou desamarre a bóia e deixe a caixa encher, colocando 1 litro de água sanitária para cada 1.000 litros de água;

Feche novamente o registro ou amarre a bóia e deixe por duas horas (jamais utilize esta água);

Passadas as duas horas, esvazie a caixa abrindo a sua saída, todas as torneiras e acionando as descargas (o registro deve permanecer  fechado ou a bóia amarrada); esta água também limpa e desinfeta os canos, e pode ser usada para a limpeza de quintais, banheiros, etc;
 
Abra a entrada da água desamarrando a bóia e/ou abrindo o registro geral e deixe a caixa encher (esta água já pode ser utilizada);

Lave bem a tampa e coloque-a corretamente na caixa d’água para evitar a entrada de pequenos animais, sujeiras, insetos, etc;

Na parte externa do reservatório marque a data da limpeza.